Dia internacional do empoderamento feminino



Por Paulo César Marques
Publicado em 06/03/2020
Editado em 09/03/2020, às 8:51

268 visualizações

Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o secretário de Educação Paulo Matheus fala sobre a valorização da participação crescente das mulheres nas diversas áreas: na ciência e educação, são maioria nas Universidades; destacam-se na política, na economia, no esporte, na liderança de grandes empresas e núcleos familiares.

Mas essa não é uma data apenas comemorativa. Esse deve ser um dia de reflexão sobre a luta contra a violência e o feminicídio e pela igualdade de gêneros. “Nós, temos que ser parceiros neste processo de empoderamento feminino, mudando nossa forma de agir em diversas situações sociais, apoiando causas e ações criadas por mulheres, criando uma nova consciência coletiva que promova a igualdade entre gêneros, social e política”.

Paulo Matheus destaca a representatividade das mulheres no quadro de colaboradores da secretaria de Educação. “Hoje, são 7.818 profissionais, que representam 89,67% da nossa força de trabalho, responsáveis por oferecer uma educação inclusiva e de qualidade às nossas crianças”.

Nessa entrevista, o secretário Paulo Matheus fala sobre este espaço tão bem ocupado pelas mulheres na Educação e o aprendizado diário na gestão dessa equipe.

1- Qual a importância de comemorarmos o Dia Internacional da Mulher?

Esta celebração surgiu após uma jornada de manifestação pela igualdade de direitos civis e em favor do voto feminino, em Nova York, em 1909. A data foi oficializada pela ONU em 1975 e tem um componente histórico importante, porque levantou um problema que não foi resolvido até hoje. 

Para termos ideia da luta pela emancipação da mulher, o voto feminino no Brasil foi conquistado em 1932 e incorporado à Constituição de 1934 como facultativo. Somente o Código Eleitoral de 1965 equiparou o voto feminino ao dos homens.

2- Como é ser gestor de uma equipe composta majoritariamente por mulheres?

As mulheres são, por natureza, mais empenhadas e focadas no desempenho de suas atividades. Vejo um comprometimento muito grande em cada uma delas. Além disso, a paixão pela causa e a entrega diária em busca de um trabalho de excelência fortalecem toda a equipe. 

Como gestor de uma secretaria tão estratégica e decisiva para o desenvolvimento da nossa sociedade, tenho orgulho e satisfação de contar com o apoio dessas profissionais que aliam competência, sensibilidade e dedicação em prol de uma Educação participativa, democrática e diferenciada.

3- Como o setor público pode contribuir para o empoderamento feminino?

Dentro do setor público existem mais ferramentas que proporcionam condições de igualdade entre os gêneros. Mas ainda é pouco e há muito que se avançar. Acredito que o Estado deva atuar como impulsionador de mudanças também no setor privado, criando políticas públicas de incentivo às empresas prestadoras de serviços no sentido de diminuírem, por exemplo, as enormes diferenças salariais entre gêneros que desempenham a mesma função. 

4- Apesar das leis mais duras, o Brasil apresentou aumento de 7,3% nos casos de feminicídios em 2019 em relação a 2018. Como a educação pode ajudar a mudar este cenário?

É fundamental tratar de temas relacionados ao empoderamento feminino desde a primeira infância. O machismo estrutural em nossa sociedade deve ser combatido com informação, levando para a sala de aula, local de discussão e debate, temas que ajudem a formar cidadãos mais conscientes. Estou convencido de que as transformações que acontecem no ambiente escolar são refletidas nos lares, graças ao grande poder de persuasão das crianças. A escola é fundamental na construção da autonomia e identidade do indivíduo. 

5- Para finalizar, deixe sua mensagem para as mulheres.

Gostaria de agradecer o empenho de nossas colaboradoras e ressaltar o grande prazer de estar à frente de uma equipe tão engajada. A mulher, em todos os campos e momentos, tem uma capacidade única de resiliência, de enfrentar e superar os obstáculos que a vida impõe. 

Somente um poeta com a sensibilidade de Milton Nascimento para expressar de forma única como nós homens admiramos a força da mulher: 

“Mas é preciso ter manha

É preciso ter graça

É preciso ter sonho sempre

Quem traz na pele essa marca

Possui a estranha mania

De ter fé na vida”




Assuntos Relacionados

Educação


Outras Notícias