Cookie Consent by FreePrivacyPolicy.com Portal da Secretaria de Educação de Guarulhos


Gêneros textuais informativo e biográfico inspiram práticas com alunos do ensino fundamental



Por Danielle Andrade
Publicado em 24/04/2023
Editado em 27/04/2023, às 11:36

910 visualizações

Contação de histórias, rodas de conversa, exposições, reflexões e pesquisas são algumas das práticas que fizeram parte de sequência didática sobre gêneros textuais com alunos da EPG Clementina de Jesus, no Jardim Triunfo. Tais ações resultaram na confecção do Lapbook, material lúdico com um resumo interativo de aprendizagens a partir dos gêneros biográfico e informativo.  

A atividade integra o projeto Como educar crianças fantásticas, relacionado ao eixo Educando – Cultura de Paz e Educação em Direitos Humanos: Interações, Afetividades e Identidades, presente na proposta curricular da rede municipal. 

O trabalho foi desenvolvido pelas turmas do fundamental ao longo do mês de março, com o objetivo de estimular a percepção de que os conhecimentos podem ser repassados e que existem diversas maneiras disso acontecer utilizando a escrita, a leitura e a criatividade. 

A partir da fluência leitora e o contato com os gêneros textuais, a professora Vanessa Rodrigues reuniu informações sobre as Mulheres Fantásticas que foram estudadas em março. Dessas mulheres, as crianças selecionaram as que mais acharam incríveis para montar o lapbook e contar um pouco sobre cada uma.  

“Propus uma videoaula em uma plataforma de compartilhamento de vídeos que eu mesma produzi para utilizar na atividade. Apresentei um passo a passo da confecção e antecipei possíveis dificuldades dos alunos não-alfabéticos. A proposta da atividade foi de que as crianças trabalhassem em grupos, compartilhando as leituras, auxiliando os colegas nas atividades de recorte, colagem e encaixes”, explicou Vanessa.  

Com a atividade, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer e valorizar a história das mulheres de sua família, escola e comunidade, apontar a importância delas no contexto familiar, social e histórico, identificar e respeitar as diferentes relações de gênero e afetividade presente no meio social.  

“Em um mundo todo tecnológico, é preciso propor atividades desafiadoras sem subestimar a capacidade de compreensão das crianças. As crianças ficaram encantadas com este material produzido coletivamente e me pediram para construirmos outro em breve” destaca a professora Vanessa, com apoio da professora Silvia Bernardo e da coordenadora pedagógica Fabiana Souza. 

As famílias também foram envolvidas nas propostas através das atividades enviadas para casa e em um informativo virtual diário, na qual se manifestaram positivamente em relação ao trabalho realizado e o modo com o qual a escola ressignificou o mês das mulheres.




Outras Notícias